Uma carta de amor à CD Projekt Red

Falar sobre The Witcher 3: Wild Hunt é falar sobre imersão. É a palavra que define uma das melhores experiências que já tive com games. Eu nunca fui fã da franquia e, pra falar a verdade, não esbocei nenhum interesse no game em um primeiro momento. Acompanhei todo o hype pós-E3 com distância e mesmo quando as críticas exaltaram a CD Projekt Red pelo seu magnum opus, eu ainda o via com certo receio. Foi só através de uma promoção que finalmente entendi o motivo da agitação.  Continuar lendo “Uma carta de amor à CD Projekt Red”

Anúncios

Em defesa do Sr. Abrams

Depois de anunciarem que Colin Trevorrow havia deixado o comando do ainda não intitulado “Episódio IX”, a Lucasfilm confirmou o retorno de J.J Abrams à direção da franquia. Com o sucesso estrondoso de O Despertar da Força (2015), tornando-se uma das maiores bilheterias da história – com mais de 2 bilhões arrecadados ao redor do mundo e com uma recepção majoritariamente positiva da crítica especializada – era de se esperar que Abrams fosse, no mínimo, cogitado para ocupar a cadeira de diretor. Só que nem todos ficaram felizes com a notícia.

Continuar lendo “Em defesa do Sr. Abrams”

Devolvam-nos Game of Thrones

Diferente de alguns contemporâneos – que assistem tudo lançado pela Netflix – não sou aficionado por séries de televisão. Levo na bagagem algumas produções famosas como How I Met Your Mother, Dexter, Lost, Friends e Sons of Anarchy; quatro dessas tiveram finais de qualidade duvidosa, logo, sempre tive receio de afirmar que Game of Thrones – uma das minhas prediletas – poderia ser melhor do que Breaking Bad, pelo simples fato de que havia chance de dar merda no final. E já deu.

Continuar lendo “Devolvam-nos Game of Thrones”